O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2016 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts
<div style="background-color: none transparent;"><a href="http://www.rsspump.com/?web_widget/rss_ticker/news_widget" title="News Widget">News Widget</a></div>

01 setembro 2016

Sobre os G40 e os estrangeiros de cada grupo [1]

Eis uma nova e curta série, para a qual proponho o seguinte sumário:
1. Origem da expressão G40
        2. Os dois G40 do país
        3. G40 e lei de Certeau

Eleições municipais sul-africanas e análises trágicas [9]

Oitavo número aqui. Sugeri-vos um sumário no número inaugural desta série, aqui. Finalizo a série e o último ponto do sumário, a saber: 3. Ênfase esquecida: luta com votos e não com armas.  Sem dúvida que  se registaram episódios graves antes das eleições. Porém, não há notícia de que a divulgação dos resultados tenha provocado levantamentos partidários ou gerado o surgimento de exércitos privados para contrapor armas aos votos.  Esta deve ser a principal lição a extrair para o nosso país, onde o Estado tem de fazer face a um exército privado que é usado pelos seus gestores partidários quando os resultados eleitorais lhes são desfavoráveis. [imagem adaptada daqui]

31 agosto 2016

É triste, esse Brasil

Com a frase em epígrafe termina uma postagem de Luis Felipe Miguel no Facebook a propósito da destituição da presidente Dilma Rousseff, confira aqui, na minha página lá, também, aqui.

Sobre os G40 e os estrangeiros de cada grupo

Complexidade da vida e três movimentos

A complexidade da vida obriga os seres humanos a produzir quadros e categorias simplificadoras e domesticadoras do social, que operam através de três movimentos: julgamento retrospectivo (do género "se assim foi no passado, sempre assim será"), indução simplificadora (trata-se do "efeito do corvo negro": se encontramos um corvo negro, somos tentados a supor que todos os corvos são negros) e precedência afectiva (primeiro os “nossos”, depois os “outros”).

30 agosto 2016

Dos mortos sem paz e ponto de agenda [3]

Segundo número aqui. Escrevi, já, que somos um país produtor de mortos sem sepultura e sem paz. Falei-vos do tráfico de escravos, observando que deu origem a milhares de mortos sem sepultura, seus espíritos errando sem paz, camponeses e artesãos fugindo sem descanso. Mas o percurso castrense prosseguiu de forma severa. A ocupação militar colonial a partir de 1886 e os conflitos entre Portugal e a Alemanha no decorrer da Primeira Guerra Mundial (especialmente entre 1916 e 1918 no norte/centro do país) ampliaram o medo, a morte, o saque e a fuga nas comunidades aldeãs.

Eleições municipais sul-africanas e análises trágicas [8]

Sétimo número aqui. Sugeri-vos um sumário no número inaugural desta série, aqui. Inicio o último ponto: 3. Ênfase esquecida: luta com votos e não com armas.  A quase totalidade dos textos sobre as eleições municipais sul-africanas foi dedicada à hierarquia dos votos. Num país como o nosso, onde as armas estabelecem regras nas zonas rurais, faltou ter em conta um fenómeno: a ausência de protestos armados pós-eleitorais. [imagem adaptada daqui]

29 agosto 2016

Polícia frustrou ataque da Renamo em Tsangano/Tete

A polícia frustrou esta madrugada uma tentativa de assalto de homens armados da Renamo a infra-estruturas sociais da localidade de Maconje, distrito de Tsangano, província de Tete, designadamente o centro de saúde e a secretaria da administração local. Não houve vítimas. Uma viatura policial foi atingida, tendo ficado com vidros partidos e tanque de combustível afectado. Este é o segundo ataque no distrito, tendo o primeiro ocorrido ainda este ano na localidade de Panga. - jornal da noite das 19:30 da "Rádio Moçambique". Recorde aqui.

Bolha imobiliária em Moçambique

Num portal imobiliário: "Desde janeiro de 2016 tem-se verificado uma redução de 30 a 40% na maioria dos preços de aluguer de residências em Maputo, com uma redução superior de até 50% em algumas áreas da Matola, tais como Matola Rio, Fomento e Matola Cidade. [...] As regiões de Pemba, Palma, Nacala – outrora "a prometida corrida do ouro” - têm visto muitos projetos pararem, encerrarem, ou a funcionar a taxas extremamente baixas de ocupação com rendimentos negativos, uma vez que os investidores estrangeiros e as empresas multinacionais retiraram-se por ora destas regiões". Aqui.
Adenda às 11:04: confira a euforia em 2013 por exemplo aqui.

Transições

As transições são sempre compósitas, complexas, mestiças. O novo faz quase sempre amor com o velho, os espíritos do passado coabitam com os espíritos do futuro. Por baixo de um fato cerimonial pode muitas vezes esconder-se o camuflado da guerra.

No "Savana" 1181 de 26/08/2016, p.19

Se quiser ampliar a imagem, clique sobre ela com o lado esquerdo do rato. Nota: "Fungulamaso" (abre o olho, está atento, expressão em ShiNhúnguè por mim agrupada a partir das palavras "fungula" e "maso") é uma coluna semanal do "Savana" sempre com 148 palavras na página 19. A Cris, colega linguista, disse-me que se deve escrever Cinyungwe. Tem razão face ao consenso obtido nas consoantes do tipo "y" ou "w". Porém, o aportuguesamento pode ser obtido tal como grafei.

28 agosto 2016

Com o "Faísca" lá no Niassa

Aqui. Amplie a imagem clicando sobre ela com o lado esquerdo do ratoNota: em Yaawokucela significa amanhecer. O jornal Faísca é editado em Lichinga, capital provincial do Niassa. Sobre a província do Niassa, confira aqui.

27 agosto 2016

Renamo atacou hoje em Murrupula/Nampula

Homens armados da Renamo atacaram cerca das 5 horas da manhã de hoje o posto administrativo de Nihessiue [espero ter registado bem o nome, CS], distrito de Murrupula, província de Nampula, tendo causado estragos no posto policial, no posto de saúde e na residência do chefe de posto, para quem foram disparadas duas balas, mas sem o ferirem. No posto de saúde, os homens da milícia da Renamo roubaram medicamentos e redes mosquiteiras e queimaram parte da residência do chefe do posto. - "Rádio Moçambique", jornal da noite das 19:30.
Adenda às 19:56: os milicianos da Renamo não visam unidades militares, mas especialmente postos policiais e de saúde em postos administrativos, para além de emboscadas a veículos civis das colunas motorizadas - eis o que parece possível de concluir dos ataques que se multiplicam e se diversificam em termos provinciais.
Adenda 2 às 05:48 de 29/08/2016: confira o relato no portal da "Rádio Moçambique" aqui.

O que é psicologia? [hoje é o Dia da (o) Psicóloga (o)]

Um dos próximos números da coleção "Cadernos de Ciências Sociais" da "Escolar Editora" chamar-se-á "O que é psicologia?" (título provisório) e terá como autores Zaida Morais de Freitas de Cabo-Verde, Fátima Rodrigues de Portugal, Palmira Fortunato dos Santos de Moçambique e Jaqueline Gomes de Jesus do Brasil, pela ordem de entrada na foto abaixo.

Uma coluna semanal

Na última página do semanário "Savana" existe uma coluna de ironia - suave nuns casos, cáustica noutros - que se chama "À hora do fecho". Naturalmente que é necessário conhecer um pouco a alma da vida local para se saber que situações e pessoas são descritas. Segue-se um extracto reproduzido da edição 1181, de 26/08/2016, disponível na íntegra aqui:

26 agosto 2016

Samora não pertence ao passado mas ao futuro

É necessário resamorizar a vida e o futuro se queremos ter um novo tipo de relações sociais que bloqueie armas físicas e armas simbólicas, relações sociais que desarmem as mentalidades bélicas. Samora não pertence ao passado, mas ao futuro, Samora é futuro. - a propósito de Samora Machel, disse algo como isso ontem a um grupo de jornalistas, à margem de uma palestra dada na Associação dos Escritores Moçambicanos.

Presidente Nyusi sobre a paz

"Temos que encontrar uma solução que seja sustentável, viável. Não rasgar a Constituição da República, não depor abaixo a democracia que é uma realidade neste país, onde ciclicamente as pessoas vão às urnas para diferentes tipos de eleições”, afirmou." Aqui.
Adenda às 03:43: algumas posições minhas ontem numa palestra dada na Associação dos Escritores Moçambicanos, aqui.

Muros sociais

Muros sociais, historicamente construídos e reproduzidos (jamais muros naturais), mapeiam o nosso relacionamento com outrem. Quem estiver para além dos muros familiares, de amizade e laborais, quem estiver fora dos nossos muros culturais é encarado como estranho e, eventualmente, como irredutível e perigoso, especialmente se o contacto for com estrangeiros. O território que é o nosso, o território no qual habitamos, o território com as suas fronteiras convencionais, é bem mais do que um território físico, bem mais do que o território de uma comunidade, de um país. É, também (talvez devesse dizer principalmente), um território cognitivo, um território de determinados costumes, de determinadas regras, de determinadas maneiras de encarar a vida, de determinados grupos e classes sociais. Por isso parece-me adequada a expressão muros sociais. Essa expressão poderia ser ampliada com estoutras: muros cognitivos, muros morais, muros de preconceitos, muros de prejuízos, muros de clichés, etc. Muros que, em sua diversidade social, são como semáforos sociais: dão licença aos nossos, vedam o acesso aos outros, aos estranhos.