O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2018 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts

30 abril 2006

Mentalidade linchatória

Suponhamos o seguinte quadro: numa multidão de 200 pessoas alguém aponta A como responsável de um roubo. É previsível que uma parte das 199 pessoas restantes partilhe de imediato, sensorialmente, a acusação (vê o estigmatizado, está mais próxima dele, etc.) e que a outra seja arrastada à identificação por etapas de adesão um pouco mais lentas mas não menos imperativas e, no limite, também paroxísticas. O momento final é a identidade reactiva, a homogeneidade estigmatória, o clímax linchatório. O longo tempo de crise acumulada é percutido e exacerbado pelo tempo curto, sensorial, mimético, irreversível da decisão. Dificilmente alguém poderá pensar com equilíbrio numa situação dessas. A componente lógica de cada um de nós é imediatamente submersa pela componente instintual. Esta última hipostasia e nivela. Isso sucede não porque um instinto de massa preexista a cada um dos participantes, mas porque cada um partilha transubjectivamente a equivalência e as osmose feitas rapidamente entre a crise e o «responsável» encontrado. O linchamento é o resultado agregado das identificações individuais. Cada um de nós pode fazer a experiência da mentalidade linchatória num jogo de futebol, especialmente num jogo vital, sentando-se onde possa seguir o comportamento de um conjunto de adeptos de uma das equipas. Ou, então, assistir ao comício de um partido em período eleitoral.

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Ola, Carlos. Gostei muito do que escreveste. Nunca me tinha interrogado sobre esta necessidade de fazer mal a alguem,de repente, mesmo que esteja inocente.O teu diario e brilhante, prossegue por favor. Um abra,co.

Helena Almeida
Lisboa

30/4/06 3:19 da tarde  
Blogger Carlos Serra said...

Helena: fico muito feliz com o que escreveste. Forte abraço...sociológico e anti-linchamento!

30/4/06 3:25 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home